Notícias

Comunidade de Pedreiras realiza festa de São Sebastião neste fim de semana

Foto: Reprodução
Foto: Divulgação

Acontece entre os dias 16 e 18 de janeiro na Comunidade Pedreiras, a tradicional festa em louvor a São Sebastião, padroeiro da comunidade. Foi preparada pela comissão organizadora, uma programação especial para receber os visitantes.

Confira a programação abaixo:

Dia 16 de Janeiro – Sexta-feira

20h – Celebração da Palavra com a participação da comunidade de São Pedro e em seguida, leilões de bezerros e outros.

Dia 17 de Janeiro – Sábado

20h – Celebração da Palavra com Eucaristia com a participação da comunidade de São João, em seguida show com a banda Pancadão e Rastafare e movimentação de barraquinhas.

Dia 18 de janeiro – Domingo

20h – Celebração Eucarística, procissão, nomeação dos novos festeiros com a participação dos Ministros Extraordinários da Eucaristia e da Palavra, do setor Nossa Senhora Aparecida, em seguida show com a banda Clone do Forró e movimentação de barraquinhas.

A comissão organizadora da festa convida todas as famílias para participarem da festividade em louvor ao padroeiro, São Sebastião.

Conheça São Sebastião

São Sebastião nasceu em Narbonne; os pais eram oriundos de Milão, na Itália, do século terceiro. O santo desde cedo, foi muito generoso e dado ao serviço.  Ao entrar para o serviço no Império como soldado, tinha muita saúde no físico, na mente e, principalmente, na alma. Não demorou muito, tornou-se o primeiro capitão da guarda do Império. Esse grande homem de Deus ficou conhecido por muitos cristãos, pois, sem que as autoridades soubessem, porque o imperador adorava os deuses. Esse mistério o levava a consolar os cristãos que eram presos de maneira secreta, mas muito sábia; uma evangelização eficaz pelo testemunho que não podia ser explícito.

São Sebastião tornou-se defensor da Igreja como soldado, como capitão e também como apóstolo dos confessores, daqueles que eram presos. Também foi apóstolo dos mártires, os que confessavam Jesus em todas as situações, renunciando à própria vida. O coração de São Sebastião tinha esse desejo: tornar-se mártir. E um apóstata denunciou-o para o Império e lá estava ele, diante do imperador, que estava muito decepcionado com ele por se sentir traído. Mas esse santo deixou claro, com muita sabedoria, auxiliado pelo Espírito Santo, que o melhor que ele fazia para o Império era esse serviço; denunciando o paganismo e a injustiça.

O imperador, no entanto, com o coração fechado, mandou prendê-lo num tronco e muitas flechadas sobre ele foram lançadas até o ponto de pensarem que estava morto. Mas uma mulher, esposa de um mártir, o conhecia, aproximou-se dele e percebeu que ele estava ainda vivo por graça. Ela cuidou das feridas dele. Ao recobrar sua saúde depois de um tempo, apresentou-se novamente para o imperador, pois queria o seu bem e o bem de todo o Império. Evangelizou, testemunhou, mas, dessa vez, no ano de 288 foi duramente martirizado.

 Texto: Gilberto Martins 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.