Missa da impressão das Chagas de São Francisco acontece na próxima semana

O padroeiro de Rio Paranaíba recebeu as chagas de Cristo em 1224 no Monte Alverme. (Foto: Reprodução)
O padroeiro de Rio Paranaíba recebeu as chagas de Cristo em 1224 no Monte Alverme. (Foto: Reprodução)

Será realizada no próximo dia 17 de setembro na Igreja Matriz de São Francisco das Chagas, a Missa da Impressão das Chagas de São Francisco. Neste dia é celebrado pela Igreja em todo mundo, o dia em que o padroeiro de Rio Paranaíba recebeu as chagas no Monte Alverme.

Em nota enviada à nossa reportagem na tarde desta terça-feira (08), o pároco do município convida a todas as famílias para participarem da celebração que acontecerá às 19h e contará também com uma procissão. Ainda segundo a nota, Pe. Wesley Balbino também propõe um gesto concreto de um litro de óleo e um quilo de farinha de trigo, que serão utilizados na fabricação dos pastéis durante a 13ª festividade religiosa de São Francisco das Chagas entre os dias 24 de setembro a 04 de outubro na Praça da Igreja Matriz, no centro da cidade.

Neste ano, o gesto concreto foi divido em dois grupos, onde as mulheres poderão levar um quilo de farinha e os homens, o um litro de óleo. Os mantimentos poderão serem entregues na Missa da Impressão das Chagas de São Francisco ou até mesmo no Escritório Paroquial em horário comercial.

AS CHAGAS DE SÃO FRANCISCO

Francisco de encontro com o Cristo crucificado. (Foto: Reprodução/ Franciscanos Conventuais)
Francisco de encontro com o Cristo crucificado. (Foto: Reprodução/ Franciscanos Conventuais)

Após se entregar totalmente a Deus deixando tudo para trás, Francisco recebeu no dia 17 de setembro de 1224, as chagas de Cristo, ou estigmas da paixão do Senhor no Monte Alveme. Alguns sites, no entanto, estimam que a impressão provavelmente ocorreu no dia 29 de setembro, quando é celebrado pela Igreja o dia de São Miguel Arcanjo.

A impressão das chagas no corpo de São Francisco, foi a coroação de toda uma vida. Desde a sua conversão, Francisco já deslumbrava a contemplação ao Cristo de São Damião que foi tão humano, despojado, pobre e crucificado. Dessa forma, no entanto, este Cristo ocupou o lugar central de toda a sua vida: “Não quero gloriar-me a não ser na cruz de Nossa Senhor Jesus Cristo” (cf. Gal 6, 14).

Para Leonhard Lehmann, cada pessoa tem suas feridas que podem salvar e que podem ser a fonte da salvação. Ainda segundo ele, cada pessoa que deixa ser ferido em nome de Cristo leva em uma a sua cruz. “Ainda que em nós não fôssemos impressos os estigmas do crucificado de modo visível, cada um tem suas feridas que podem salvar, que podem tornar-se fonte de salvação para si e para os outros. A cada um que se deixa ferir em nome de Cristo e que leva em si a sua cruz, Francisco repete o que disse a Leão: também tu estás marcado com a cruz de Cristo e por isso és abençoado. És um possuído de Deus e estás sob a proteção dele”, afirmou ele, ao explicar o sentido das chagas de Cristo em São Francisco.

Texto: Gilberto Martins – Editor e Graduando em Jornalismo

Mostrar mais

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: